quarta-feira, 8 de novembro de 2017

COR. CAV. RUBEN DOMINGUES, NOSSO ALFERES COMANDANTE DO ESQ.149; FESTA DO 80º ANIVERSÁRIO.




Numa primeira visita à recém-passada e bonita festa do 80º aniversário do Nosso Alferes Ruben Domingues, 2º Comandante do Esq. Cav. 149 em Angola 1961-1963, constatamos à partida o mesmo homem corajoso e decidido que, tal como procedia em tempo de guerra em Angola, também ainda hoje perante o ataque dos monstruosos fogos florestais de Outubro que lhe destruíram totalmente a casa familiar centenária, não desistiu nem cedeu ao desânimo, antes pelo contrário, à boa maneira do oficial de cavalaria voltou à carga e respondeu inflexivelmente com a realização já anunciada da festa do seu aniversário.
A festa fez-se e o Nosso Comandante Alferes Ruben, agora coronel na reserva, esteve rodeado dos familiares e amigos pessoais e também, em grande escala, dos camaradas colegas amigos militares e sobretudo dos Soldados por si comandados numa demonstração de reconhecimento, gratidão e amizade pelo antigo Comandante seu primeiro defensor corajoso em tempo de guerra.
E foi em ambiente de recordações de felicidade para todos e, certamente, de inesquecível alegria para o Nosso Comandante Ruben Domingues.

Contra a vontade expressa do Nosso Comandante, contudo, não por desobediência mas antes por força da vontade genuína de expressar a nossa gratidão e amizade, os Soldados presentes, em nome do Esq. 149, fizeram oferta de uma lembrança e disseram algumas palavras, elogiosas pois claro, que dizer outra coisa não seria verdadeiro.



Assim o Fur. Mil. Contreiras disse:

Sabemos que o Nosso Comandante apenas aceita, exige mesmo, como único presente a presença e estima pessoal de cada um de nós nesta comemoração única dos seus 80 anos de vida.
Pois, como Soldados do Esq. 149 aqui estamos presentes cumprindo respeitosamente, mais uma vez, a ordem do Nosso Comandante.
Contudo, os Soldados do Esq. 149 presentes, estando aqui em nome de uma amizade especial individual estão, sobretudo, em nome de uma gratidão colectiva da Unidade Militar, o Esq. 149, a qual o Nosso Alferes Ruben comandou e defendeu corajosamente no seu todo colectivamente.
A nossa atitude não é, por conseguinte, uma desobediência mas antes sim, um imperativo de consciência moral e militar pois se o Nosso Alferes era um e nós muitos, hoje aqui, o Nosso Alferes representa esses muitos e nós um único, uma presença única tal como único foi o Esq. 149.
Assim, em nome desta Unidade de Vontades contra uma Vontade Individual, permita-nos o cumprimento do dever do coração em detrimento do dever militar.
Queira, portanto, aceitar esta lembrança em nome único do Esq. 149 como memória de uma amizade fraternal sentida, fundada e cimentada sob os perigos de guerra onde fomos sentinelas alerta e guardiões vigilantes da vida de todos por todos.
Viva o Comandante Ruben.


E o 1º Cabo Botas Cardona disse:



1.     Caro amigo, Alferes Rúben Domingues, hoje distinto Coronel de Cavalaria
2.     Naquele tempo, na guerra em Angola, no ano de 1961/63, o senhor num acto talvez irreflectido, castigou-me com dez dias de mato, aquando o nosso esquadrão estava aquartelado no Caxito.
3.     Mais tarde, por arrependimento ou talvez não, verifica então que a minha conduta e o meu desempenho como militar, era e continuou a ser sempre, a de um elemento consciente e responsável, do trabalho e da responsabilidade, que me tinha sido distribuído no cargo, imposto pelo Comando do Esquadrão.
4.     Assim, o meu Alferes, sendo 2º Comandante do E. CAV 149 do nosso Esquadrão nessa altura, decide “presentear-me” com um louvor de trabalho em plena guerra colonial.
5.     Se antigamente, já lá vão mais de meio século, ambos nós, tínhamos uma franca e boa amizade, esta cimentou-se mais com esta situação.
6.     Hoje, como temos um bom coração, aqui estamos os dois, e não só, a festejar e a comemorar os seus 80 anos de vida.
7.     Ofereço-lhe esta minha simples oferta, que descreve e recorda o passado e o presente, da nossa imensa e profunda amizade.
8.     Desejo-lhe as melhores e as maiores felicidades pela vida fora.
9.     Obrigado pela amizade e não só, já lá vão decorridos 56 anos.
1. Bem haja, meu caríssimo amigo, Coronel Rúben Domingues


oO Alf. Mil. Ribeiro de Carvalho fez entrega da sua velha bóina preta e dos gastos galões quando ambos eram Alferes de Cavalaria 7 na Ajuda em memória dos mesmos símbolos militares que o Alferes Rubem havia perdido nas suas deambulações em comissões militares por África.
  

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

domingo, 10 de setembro de 2017

MEMORIAL AOS COMBATENTES NEXENSES*


 
Primeiros Combatentes Nexenses embarcados para Angola em Junho de 1961 
 

A força de Combatente e Resistente de Coelho Mestre foi decisiva para concretizar este projecto que andou a idealizar, trabalhar, pesquisar e preparar durante anos consecutivos sem nunca esmorecer e muito menos desistir.
Pelo contrário, as dificuldades contribuíram para lhe aperfeiçoar a ideia e o engenho de forma que o resultado final é de Mestre em justiça ao seu nome. Ideia essa que lhe germina na mente desde que, há anos, fez uma exposição de fotografias na sede da Junta de Frequesia cujo tema era, precisamente, os Soldados de Santa Bárbara de Nexe na guerra colonial.
Mais tarde, cerca de 3/4 anos esteve iminente o lançamento das obras de um Memorial e até o  Presidente da Junta de Freguesia me solicitou para escrever um poema alusivo para a eventual próxima inauguração.
Pois não há duvida que uma ideia, como um belo fruto, quando bem amadurecida pelo tempo e a luz que a madurou torna-se mais querida e brilhante.
Também o poema que na altura fiz para o gorado Memorial, agora, quando o Coelho Mestre me convidou a dizer o velho poema para esta inauguração este, foi sujeito a um processo de maturação que o enriqueceu.
E o poema lido na inauguração do Memorial em 07.09.2017 com o título de "Memória do Memorial" diz o seguinte:

Obrigados prá guerra longe, metemos nossa vida nas malas.
Depois, combatentes forçados demos corpo e vida às balas.
Batemo-nos por causa perdida e fomos heróicos sem medo
Ou dignos Soldados, sendo temerosos em segredo.
Chorámos grossas lágrimas secas, para ocultá-las
Sempre de morte ao lado e vida suspensa na ponta do dedo.

Na Aldeia deixámos a bela juventude, doces amizades,
A paz, a festa, os amores, os choros, as saudades.
De repente perdemos futuro, esperança, os ofícios
Em troca exigiram-nos suor, sangue, lutos e sacrifícios.
Submetidos, não discutimos o justo, o bem ou maldades
Puros sem ideais modelo, honrámos os valores patrícios.

Dignos são de honra e memória nomeada, que inscrita 
Em pedra diga aos vindouros que aqui houve e habita
Valorosa gente antiga e filhos há e haverá, pertence
Deste generoso chão amado, Mãe de terra nexence.
Pois tributo merece o que foi além do que o dever dita
E justo o gesto ao que depois de morto, a morte vence.


 (*) Habitantes da Freguesia de Santa Bárbara de Nexe concelho de Faro.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

CONFRATERNIZAÇÃO ESQUADRÃO 149 - ANO 2017







Somos Combatentes militares em Angola de 1961 a 1963 e Combatentes civis no Puto desde 1963 até 2017. Isto é, somos Combatentes há, pelo menos,  56 anos e para muitos o combate começou aos 14/15 anos ou menos, ainda garotos. 
E continuamos a travar o nosso combate pela vida todos os dias com a dignidade e valentia que demonstrámos todos possuir na guerra quando éramos jovens. 
No próximo dia 14 de Outubro em Fátima vamos reunir novamente todos os sobreviventes do nosso inesquecível Esquadrão 149, que também foi nossa importante escola de formação como Homens mais humanos e melhor preparados e capazes para os combates que tivemos de enfrentar na selva da vida civil.
Vamos celebrar essa amizade inquebrável forjada no mato pela entreajuda mútua à vida de cada um de nós e, sobretudo, exaltar e agradecer àqueles que pagaram com sangue a nossa protecção comum.
Devemos a todos, quer aos que tombaram no combate militar a nosso lado quer aos que já tombaram algures  no combate contra o tempo, a obrigação moral, voluntária e sentida de os recordar e saudar, todos juntos, com a nossa presença pessoal pois tal homenagem é justa e dela eles são dignos.
    

terça-feira, 4 de julho de 2017

ÀCERCA DA OPERAÇÃO VIRIATO (TOMADA DE NAMBUANGONGO)


Das três Unidades Militares que participaram na Operação Viriato em Angola, o Esq. Cav. 149, o Bat. Caç. 96 e o Bat. Caç. 114, que por itinerários diferentes convergiam para o cumprimento da missão recebida cujo objectivo principal era a tomada e ocupação de Nambuangongo, só o Bat. 114 não conseguiu atingir o objectivo.
Após ter sofrido um ataque em massa do inimigo em Anapasso com vários mortos e muitos feridos o Comando do Bat. 114 decidiu pedir reforços de equipamento e homens e ficou aquartelado e paralisado em Quicabo.
A conversa acima reproduzida entre o Cap. Rui Abrantes, Comandante do Esq. 149 e os seus Alferes José Pontes e Victor Ribeiro na casa do Furr. Mil. Palhavã em 04.07.1998, passados 37 anos, ainda é acerca dessa gigantesca operação militar que envolveu mais de 1500 homens e das actitudes e comportamentos militares face ao inimigo. 

.....................................................................................
Nambuangongo era a glória que se persegue
tenazmente, dia e noite sem descanso.
Que se ganhava tiro a tiro, vala a vala, lanço a lanço,
emboscada a emboscada, à guerra de corpo e alma entregue
na vã ambição de ser o melhor, o primeiro
a chegar, pisar o chão e sentir o cheiro
do louro da vitória e obter a benesse
que tal esforço merece.
........................................................................................
Do poema "Heróis de Ocasião" do livro "Esquadrão 149, A Guerra e os Dias" de José Neves

sábado, 10 de junho de 2017

PRESIDENTE MARCELO: OS COMBATENTES SÃO HERÓIS CONTEMPORÂNEOS


DISCURSO DO NOSSO MÉDICO TEN MIL. Dr. JOÃO ALVES PIMENTA NO NOSSO 1º ENCONTRO APÓS O REGRESSO QUE É EXEMPLAR ACERCA DO TEMA DO COMBATENTE AQUI TRATADO

Hoje, 10 de Junho de 2017, dia de Camões e das Comunidades um Presidente da República, finalmente, teve a coragem de claramente e em público repor uma verdade histórica acerca dos Combatentes nas antigas colónias portuguesas de África.
O presidente Marcelo, justiça lhe seja feita, colocou um ponto final na qusetão que até hoje, e desde o 25 Abril de 1974, tem sido um ponto de discussão entre os que foram contra a guerra e preferiram o exílio e os combatentes que suportaram os perigos e horrores da guerra. Marcelo afirmou sem a mínima hesitação e subterfúgio, junto dos próprios, que os antigos Combatentes "são heróis, são heróis contemporâneos".
É bem verdade que os exilados do não à guerra, logo após o 25A, dominaram o meio político e cultural e impuseram a ideia dominante do herói que tinha tido a coragem de se opor à guerra em contraponto ao combatente pouco corajoso que se submeteu a participar na guerra injusta, colonial.
Durante muitos anos esta ideia dominante originou nos Soldados Combatentes, humildes aldeões que combateram tão lealmente na guerra por Portugal como estavam habituados a combater e lutar pelo sustento diário desbravando a terra de pedras na sua Aldeia natal, um sentimento de culpa e grande retraimento em falar da sua participação na guerra. Ainda hoje, as elites culturais, se queixam da falta de depoimentos falados e escritos dos que participaram e viveram no interior da guerra sem perceberem que foram eles próprios os primeiros a contribuir para que tal se desse.
E tanto mais que levaram a discussão de quem esteve do lado certo e heróico ou quem esteve do lado contrário ao ponto de tal facto ser aferido por quem se diz que esteve na "guerra colonial" ou se diz que esteve na "guerra do ultramar". Ainda recentemente Pacheco Pereira dizia, num artigo de opinião em imprensa de referência, acerca dos ditos Combatentes na "guerra colonial":
"fizeram-na e precisam, pela sua dignidade e identidade, que o seu esforço e risco não seja minimizado ou apoucado".
Como se vê a elite intelectual ainda hoje pensa paternalmente e trata o combatente como o coitado cujo esforço e risco não deve ser minimizado ou apoucado por necessidade de sua dignidade e identidade. Repare-se, Pacheco diz que ao combatente não se deve apoucá-lo pela sua dignidade e identidade. Pacheco apercebeu-se de que a ideia dominante de atribuir culpa ao soldado aldeão rústico iletrado combatente lhe retirou dignidade e identidade.
Ora sem a dignidade e identidade que lhes retiraram como queriam agora que os combatentes tivessem deixado documentos e testemunhos directos dos acontecimentos?

Contudo o que, o Presidente Marcelo fez hoje verdadeiramente, foi repor uma realidade que era já do domínio da opinião e consciência comum dos portugueses.
O heroísmo dos exilados estava à partida condenado historicamente. Por mais dominante que a elite cultural fosse e tentasse impor a sua versão de quem esteve do lado certo e errado na questão da guerra havia, do lado dos combatentes, um facto imparável para o reconhecimento histórico final da Pátria; o iniludível valor da dívida de sangue.